Será?

Atenção amigos da rede Grobo,
 
Mudar de país tem muitas vantagens e muitas desvantagens…é o mesmo blá blá blá de sempre. Mas o fato de você estar longe é que definitivamente você tem mais tempo para pensar e entender algumas coisas interessantes. Num primeiro momento a gente acaba criticando a cultura onde estamos, mas logo depois eu me pergunto, essa critica é para a cultura daqui? Ou é para todos os seres humanos? Me incluindo na parada. Papo cabeça…eu sei…sei…estas coisas é melhor de fazer num bar tomando uma cervejinha ou uma caipora…mas como eu nunca fui de beber (depois dos porres de tequila da pós adolescência) decidi escrever aqui neste espaço…
 
Aqui nos Estados Unidos a cultura é baseada na fachada (sei la como escreve isso..). As casas são feitas de madeira e são lindas por fora e por dentro…mas no final são de madeira…feitas para acabar e  dar despesa (e girar a economia). As pessoas aparentam uma tranquilidade e total ausência de problemas…afinal todos sorriem para você quando vc entra na loja e perguntam "How are you doing today…?". Mas a sensação é de total falta de profundidade nos relacionamentos, todos eles gerenciados por algum outlook da vida…fachada, senhoras e senhores…fachada. Todo mundo tem carro bonito e é educado…a normalidade da fachada é impressionante….mas é fachada.
Mas será que a fachada é algo da cultura americana somente? Tava conversando com o Belinazo sobre isso na hora do almoço…e não é exclusividade dos americanos, talvez aqui seja mais aparente e fácil de perceber, mas a fachada é a regra para muitos…e eu me incluo nesta. A pessoa que eu sou é a pessoa que as pessoas pensam que eu sou? Não, de forma alguma…então eu também sou uma fachada, aliás uma não…várias, pois se eu perguntar como eu sou em diferentes círculos, a resposta vai ser totalmente diferente…putz…eu sou exatamente aquilo que eu critico na sociedade americana…
 
Agora todo este papo cabeça me traz uma pergunta: se tudo é fachada, o que é a realidade? Ou melhor dizendo, tirando as máscaras da fachada, quem sou eu? A melhor resposta ate agora veio de um cara que que falou que eu sou aquilo que está entre dois pensamentos, ou o momento entre uma expiração e inspiração…ou seja o Vazio. Realmente é um conceito interessante, mas que ainda nao consegui sentir…racionalmente acho interessante, mas ainda não sou o nada. Acho que se um dia conseguir ser o nada, vou conseguir ser tudo…
 
Enfim, olha onde eu fui parar…de uma critica mordaz ao mundinho da gringolândia…para a conclusão de que ainda sou e portando não sou.
 
Vai entender…acho que a Sandra Grostein está fazendo falta…
 
Namaskar!
MW
 
This entry was posted in Food and drink. Bookmark the permalink.

One Response to Será?

  1. KK - Ana Carolina says:

    Miquinha lindo do meu coração,
    Você é :
    1-Primeiro de tudo um amigo que faz uma falta ANIMAL
    2-Uma pessoa que tem o melhor papo do mundo (seja la qual for o assunto)
    3- Um companheiro de viagem, almoços, carona para casa, reuniões chatas, pizzadas na sua ou na minha casa, de conversa no messenger, de e-mails necessarios e desnecessarios…
    4- O pai do Otto ou melhor o Cara que ajudou a colocar aquela coisa mais linda do mundo no mesmo🙂
    5- Maridão da Chris
    6- O Homen que salvou meu trabalho de bikers
    7- O amigo que ajudou minha irmã e minha familia (mesmo sem saber)
    8- A pessoa que fez a gente conhecer a Chris
    9- Uma pessoa nem melhor nem pior que as outras mas DIFERENTE
    10- TUDO O QUE EU QUERO SER QUANDO CRESCER!!!!!
    beijão, kk com sds
    obs: Po eu nao tava chavecando o Otto🙂
     

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s